Como o MUSE descobriu o par mais próximo de buracos negros supermassivos

Esta animação mostra um pouco o método que os astrônomos usaram para descobrir um par de buracos negros supermassivos situados a uma distância de 89 milhões de anos-luz na galáxia NGC 7727 — e medir as suas massas. Trata-se do par mais perto de nós descoberto até hoje e também do par que apresenta a menor separação observada entre os dois buracos negros supermassivos. 

Os astrônomos estudaram os espectros das estrelas brilhantes que rodeiam cada buraco negro com o auxílio do instrumento MUSE montado no Very Large Telescope (VLT) do ESO. Quanto mais massivos forem os buracos negros maior é a atracção gravitacional que exercem sobre as estrelas que os circundam, fazendo com que estas se movam mais depressa. Este efeito se reflete nos espectros das estrelas, com as linhas espectrais aparecendo mais largas quando as estrelas se deslocam mais depressa. Ao medir a largura das linhas espectrais para os grupos de estrelas que rodeiam cada buraco negro do par, os astrônomos calcularam que as suas massas são de cerca de 154 milhões e 6,3 milhões de vezes a massa do Sol.

Crédito:

ESO/L. Calçada; VST ATLAS team; Voggel et al.

Sobre o Vídeo

Id:eso2117c
Idioma:pt-br
Data de divulgação:30 de Novembro de 2021 às 14:00
Notícias relacionadas:eso2117
Duração:24 s
Frame rate:25 fps

Sobre o objeto

Nome:NGC 7727
Tipo:Local Universe : Star : Evolutionary Stage : Black Hole

Ultra HD (info)


HD


Médio


For Broadcasters